Enquanto isso, no Parque da Juventude

Por Eliza de Oliveira

Está difícil começar este texto, ainda mais quando uma confusão de sentimentos fazem suas mãos tremerem ao tentar transcrever o que significou o dia 5 de maio de 2012. Até inventarem uma máquina do tempo, sei que não poderei reviver este dia, mas nada me impedirá de relembrá-lo sempre.

São Paulo é a cidade dos meus sonhos, talvez por ter vivido momentos maravilhosos aqui. Apesar de tudo que falam da cidade, vi em SP coisas maravilhosas acontecerem: vi uma mulher comprando comida para dar a um cachorro e a um morador de rua; vi a cultura brasileira ser valorizada por pessoas de todas as idades; vi um céu azul espetacular, resistindo contra toda a poeira que saía dos escapamentos. E ontem vi o que acredito ser a maior e a mais difícil homenagem que uma filha poderia fazer para uma mãe, mesmo sem ter convivido muito com esta. Vi, também, uma das maiores homenagens que um profissional poderia fazer a outro. Ontem vi e sobrevivi a Maria Rita cantando Elis, de uma maneira que só ela teria autoridade para fazer.

Qualquer palavra é pouca para dizer o que foi aquele momento. Com mais de 120 mil pessoas no Parque da Juventude, o momento foi diferente para cada uma delas, a emoção talvez tenha sido parecida. De qualquer maneira, foi estrondoso o respeito que se teve com a filha, com a mãe e com toda aquela energia que circulava e limpava o local onde ocorrera um dos maiores massacres da história. As canções de luta retrataram bem o chão no qual pisávamos e ninguém se calou sobre os corpos que ali se deitaram há alguns anos. As mãos se levantaram e, juntamente com os olhos vidrados da cantora, dirigidos e fixados a um ponto qualquer, todos se concentraram na letra que clamava por justiça.

Ao entrar no palco, percebeu-se que a filha e a cantora estavam emocionadíssimas. Uma, sentindo a leveza pesada da grandiosidade da mãe. A outra sentia a energia daquele público gigantesco que a aplaudia e vibrava com a força e coragem que demonstrava. De qualquer modo, não foi fácil para ninguém. Nem para Maria, nem para o público. Particularmente, para mim foi ainda mais difícil, não sei ao certo o porquê. Canções que eu já entendia, que já me sensibilizaram alguma outra vez, trouxeram à tona todos os sentimentos que eu desejava exprimir e não conseguia. Especialmente “Se eu quiser falar com Deus” e “Romaria”, que me ajudaram a restabelecer um contato que eu estava perdendo com o divino. Enfim, foi um espetáculo no qual se juntaram os sentimentos mais necessários ao indivíduo humano: dedicação, amor, paixão, justiça, fé, esperança e alegria.

Após ”O Bêbado e a Equilibrista”, quando falava da grande mulher que fôra Elis Regina, Maria Rita acertou em cheio. Aliás, seria difícil não acertar. De fato, Elis “não foi só um rostinho bonito e uma voz afinada”, foi uma guerreira. E foi isso o que eu disse e que MR repetiu, me deixando radiante, não nego. Pena que não falei guerreiraS, com um “S” bem grande no final, porque Elis e Maria são. Elis demonstrou sua força em um tempo de torturas físicas, psicológicas, perseguições. Maria demonstrou sua força num tempo muito parecido com o passado, disfarçado de “democrático”, mas com perseguições mascaradas tão duras quanto as outras.

Realmente foi um espetáculo muito além de especial que pude dividir com pessoas especiais para mim. Foi algo necessário, extremamente necessário para a música não só brasileira, e sim mundial; para Elis, para os filhos, para o público, fãs e para mim. Acreditem: ainda existe muito amor em São Paulo.

  1. Anaclara
    7 de maio de 2012 às 1:00 am

    Nossa vida é feita dos momentos que nos marcam sejam eles tristes ou alegres. A emoção é determinante para cada passo na noção evolução como seres.. As vezes como uma singela entrega de emoção do próximo nos sentimos tocados, serenos e aliviados.. Aprendemos a amar mais, e existem pessoas que existem com a missão de levar através de seu talento todas as qualidades que envolvem um ato de emoção. Então quando assisto uma apresentação dessas, cheia de arrepios e lagrimas, vejo o quanto posso melhor o dia sorrindo, por apenas ter sentido aquela emoção. Obrigada Maria Rita.

    @AnaclaraPras

  2. Selma
    7 de maio de 2012 às 1:52 am

    Quando soube da realização dos shows, prometi a mim mesma estar lá para referenciar Elis, uma mulher extraordinária, que vivia à frente de seu tempo. Me emocionei muito durante o show,como era de se esperar e tenho que referenciar a filha, Maria Rita. Acho que a carreira de Maria Rita estará dividida em antes deste espetáculo e depois dele. Teremos uma Maria Rita mais segura, mais madura, pronta para trilhar uma carreira brilhante e vitoriosa. É aguardar e curtir.

  3. Jaqueline Neves
    8 de maio de 2012 às 12:14 am

    Lindo texto, parabéns!

    Realmente foi uma emoção presenciar tudo isso. Uma coisa que impressionou bastante a mim e a minha prima, que estava me acompanhando, foi ver público de todas as tribos, todas as idades, todos os jeitos… e pessoas com tanto desejo de assistir e cantar músicas da Elis que subiam até em árvores, e bem altas por sinal.

    Foi uma experiência maravilhosa, que faço questão de nunca esquecer!

  4. Cristina Maria Lahni
    13 de maio de 2012 às 8:57 pm

    UM DIA O FURACÃO ELIS ME PEGOU DE JEITO. HOJE DEPOIS DE 30 ANOS DE SUA MORTE UM TORNARDO CHAMADO MARIA RITA FEZ EU VOLTAR AOS MEUS 16 ANOS E VIVER MUITA COISA NOVAMENTE. SIMPLESMENTE INESQUECIVEL.

  1. 7 de maio de 2012 às 12:44 am

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: