Arquivo

Posts Tagged ‘elis regina’

Dois pra Lá, Dois pra Cá | Playlist imperdível!

27 de novembro de 2014 Deixe um comentário

Dejaste abandonada la ilusión / Que había en mi corazón por ti

Fizemos uma seleção incrível de versões do clássico de João Bosco e Aldir Blanc “Dois pra Lá, Dois pra Cá” na voz de Elis que você não pode deixar de assistir! E quem já conhece, na certa, vai gostar de conferir mais uma vez.

1) O áudio de uma versão ao vivo de um disco lançado só em 1995.

“Quem quiser cantar, pode cantar. A gente não fica chateado!”

2) Um video ao vivo que faz parte de um DVD lançado pela Band, da Elis com o look da época do Elis&Tom. Linda interpretação!

3) O videoclipe oficial da música, feito pelo Fantástico, em 1975.

4) Não é a Elis… mas é válido: trecho do “Elis, a Musical”, lançado em março de 2014 no canal do Cena Musical, em que “Elis” canta com “Cesar Camargo Mariano” a faixa. Confira!

Maria Rita - Dois Pra Lá, Dois Pra Cá

Assista também a versão especial de Maria Rita para o Globo de Ouro >

Maria Rita canta “Dois Pra Lá, Dois Pra Cá” no Globo de Ouro

26 de novembro de 2014 Deixe um comentário

Sentindo o frio
Em minha alma
Te convidei prá dançar
A tua voz me acalmava
São dois prá lá
Dois prá cá…

Meu coração traiçoeiro
Batia mais que o bongô
Tremia mais que as maracas
Descompassado de amor…

Minha cabeça rodando
Rodava mais que os casais
O teu perfume gardênia
E não me perguntes mais…

A tua mão no pescoço
As tuas costas macias
Por quanto tempo rondaram
As minhas noites vazias…

No dedo um falso brilhante
Brincos iguais ao colar
E a ponta de um torturante
Band-aid no calcanhar…

Eu hoje, me embriagando
De wisky com guaraná
Ouvi tua voz murmurando
São dois prá lá
Dois prá cá…

No dedo um falso brilhante
Brincos iguais ao colar
E a ponta de um torturante
Band-aid no calcanhar…

Eu hoje, me embriagando
De wisky com guaraná
Ouvi tua voz murmurando
São dois prá lá
Dois prá cá…

HOJE: Maria Rita se apresenta no Fantástico em homenagem ao Dia das Mães

Imagem

O Fantástico deste domingo faz uma homenagem às mães de todo o Brasil. Maria Rita, convidada da semana, fala sobre maternidade e das lembranças que tem de sua mãe, Elis Regina. A cantora se apresenta no palco do programa.

‘Redescobrir’ ganha Grammy Latino 2013

22 de novembro de 2013 Deixe um comentário

Imagem

Na última quinta-feira, 21 de novembro, o álbum Redescobrir ganhou o Grammy Latino de Melhor Álbum de Música Popular Brasileira. A vitrolinha, é a décima pra coleção da cantora Maria Rita. Em disparada, a hashtag #ElisNoGrammyLatino foi parar nas Trends em poucos instantes. 

Animada no twitter (@MROFICIAL) a cantora postou em caixa alta: “COMEMORANDO MUITO O GRAMMY DE MELHOR ÁLBUM DE MÚSICA POPULAR BRASILEIRA. REDESCOBRIR AO VIVO: GRAMMY WINNER!!!!!! OBRIGADA !!!!!” e depois completou, “E todo mundo ouvindo o disco e os de minha mãe também!!! Sim… Esse premio é também de vocês, que me inundaram de amor e saudade e colo… É sim…”

 

Maria Rita gravou com Seu Jorge “Vento de Maio”.

28 de março de 2013 1 comentário
Foto: Maria Rita gravou com Seu Jorge "Vento de Maio".

Fotos – Coletiva Redescobrir

31 de outubro de 2012 3 comentários

Fonte; Facebook Universal Music BR

E dia 5, tem VEVO Premiere!

Clipe “Me Deixas Louca”

20 de outubro de 2012 5 comentários

Fonte: Universal Music BR

Já está disponível no iTunes (BR), o EP digital de “Me Deixas Louca” de Maria Rita, reunindo a canção nas versões ao vivo e alternativa (incluída na trilha sonora da novela “Salve Jorge”), além do videoclipe. Curtiu? Então faça o download aqui >http://umusic.ly/MariaRita_EP

Em show, Maria Rita faz homenagem a Hebe

30 de setembro de 2012 1 comentário

Na noite deste sábado (29), a cantora Maria Rita, que apresentou o show “Viva Elis” em São Paulo, prestou uma homenagem à apresentadora Hebe Camargo.

Fonte: Época

Assista ao vídeo >

Quebrando o roteiro do show que homenageia Elis, Maria Rita entrou sozinha no palco e pediu licença para a mãe para fazer uma homenagem a uma “pessoa especial, que tinha muita alegria de viver”. Antes mesmo de dizer o nome da apresentadora, o público começou a aplaudir.

Maria Rita disse que Hebe lhe deu “colo” nos últimos dez anos – tempo que a cantora tem de carreira. Ela também afirmou que Hebe sempre respeitou sua decisão de não misturar “cantora Elis Regina, com a cantora Maria Rita”. “Existia como um pacto silencioso”, disse.  Vale lembrar que Hebe foi muito amiga de Elis. Há, inclusive, uma comovente cena da apresentadora no velório de Elis, em 1982.

Segundo Maria Rita, o  tal “pacto” só foi quebrado na gravação do DVD da apresentadora, em 2010, do qual participou como convidada. Juntas, elas cantaram a música “Foi assim”, sucesso da cantora Wanderléa. Depois da apresentação, Hebe disse que gostaria de mostrar um trecho de uma entrevista que Elis concedeu ao programa TV Mulher em 1980, quando Maria Rita tinha três anos de idade.

No trecho destacado por Hebe, Elis diz, entre outras coisas, que a meiguice de Maria Rita lhe devolveu uma meiguice que havia perdido. Ao ver a gravação, Maria Rita se emociona. Hebe, então, diz para a cantora; “Não chora amor. Ela (Elis) está melhor do que nós”.

Tudo isso foi exibido em telões para o público que estava no show de Maria Rita neste sábado. No final da exibição, Maria Rita disse, bastante emocionada, em referência à frase de Hebe: “Agora, posso dizer que as duas (Elis e Hebe) estão melhores do que nós”.

Foto: Divulgação/Rede Tv

“Um Conto de Fadas real. Elis ressurge na Filha.” e outros textos!

26 de agosto de 2012 1 comentário

Texto original de Roberto Zanin (leia aqui na íntegra)

Era uma vez a melhor cantora de um Reino, que emocionava a todos com sua voz, seu carisma e sua força interpretativa. Essa cantora tinha dois filhos homens, mas mesmo amando-os com amor de mãe, ficou como que enfeitiçada quando teve a primeira filha. Amava a condição feminina, a força vital e o poder gerador da maternidade. Viu na sua menina, parecidíssima com ela, estrábica como ela, um espelho que desejava fosse polido e cuja imagem não carregaria seus fantasmas internos.
E eis que a Rainha da voz, que transformava os sonhos e esperanças do reino em trinados e vibratos pungentes, foi chamada para cantar na eternidade; seu talento atingira tal dimensão que suplantara os limites do finito. Seus súditos ficaram órfãos. Afinal, muitas cantoras tentaram, mas ninguém conseguiu saciar o vazio deixado por sua precoce partida.
Mas havia uma semente. Um rebento. Fruto gerado com amor e no amor, com DNA da rainha e também do pai, que melhor do que ninguém sabia, com sua música, acarpetar o caminho para que as notas da diva alcançassem o céu. A semente brotou, vicejou, cresceu, amadureceu. E se tornou… cantora. Humilde, independente, já mostrava muito talento, mas apesar de a genética traí-la, ocultou a mãe sob o véu da reverência ()

FOTO: Eliza Oliveira

Leia também:

Maria Rita, Dumbo e um rio de lágrimas | Por Alessandra Alves

Redescobrindo | Por Eliza Oliveira

E mais: Vote em ELIS REGINA como a maior voz do Brasil!

‘Tenho a missão de levar a Elis para outras gerações’, diz Maria Rita

Fonte: Fantástico

Um reencontro musical entre mãe e filha emociona as plateias do Brasil. Desde o início da carreira, maria Rita manteve uma distãncia cautelosa das obras de Elis Regina. Mas agora 30 anos depois da morte da mãe, ela se sente à vontade para abraçar um repertório que faz o público chorar de saudade.

“Eu tinha 4 anos de idade. Então, a partir daí, nada é normal, nada é o senso comum. Do rosto dela eu não lembro, mas lembro de sons, cores ,texturas. A partir do momento que a minha necessidade de ser essa cantora, de ser artista ficou absolutamente nítida e clara, aí sim eu tive que me afastar da minha mãe ”, acrescenta a cantora.

Quando o Brasil conheceu e se apaixonou por uma cantora chamada Maria Rita, a forte identidade de sua mãe era quase um detalhe.

“Certamente houve um período de conflito. ‘Quero cantar, não posso cantar simplesmente porque sou filha de Elis Regina’. Teve esse conflito?’, perguntou Zeca Camargo.

“Foi exatamente isso. O que eu ouvia muito era: ‘você precisa cantar!’, ‘você não pode não cantar!’. Aí eu falava: ‘Posso sim’”, contou Maria Rita.

Por conta dessa, digamos, teimosia, que Maria Rita ganhou uma voz independente, com uma identidade própria que ela mesma sabia que tinha.

“Eu lembro uma vez, uma garota na escola fazendo: ‘Eu não entendo como é que você consegue cantar afinado’. Eu falei: ‘Eu não entendo como é que você consegue cantar não afinado”, disse a cantora.

Com quase dez anos de carreira e uma legião de fãs que sabem muito bem de quem é essa voz, Maria Rita finalmente então resolveu se encontrar com Elis no palco.

“No começo teve cobrança para eu cantar música da Elis. E se tem uma coisa que eu me inspirei na carreira dela foi a entrega irrestrita. Eu sabia intuitivamente que ela era assim. Me acusavam de assistir vídeos para imitá-la no palco, mas isso não existiu. Primeiro, porque dói. Isso dói até hoje. É um buraco que está aí”, revelou Maria Rita.

Zeca Camargo pergunta a cantora quando ela está mais próxima da Elis. “Em canções como ‘Essa mulher’ e ‘Se quiser falar com Deus’”, contou ela.

Um repertório que agora, finalmente, passa de mãe pra filha. “Meu irmão João falou que esse caminho que eu escolhi de negar cantar o repertório da minha mãe no início da minha carreira com certeza teria sido aprovado por ela”, disse Maria Rita.

E por falar em família, Maria Rita é mãe de Antonio, de 8 anos, e está grávida do segundo filho.“Minha mãe faz falta depois que eu tive filho. Sinto falta dos conselhos”, contou.

Maria Rita diz que chora em vários momentos do show. “Choro de emoção pela reação das pessoas, vejo aquele momento das pessoas se largando e chorando de saudade. Também choro de imaginar que ela podia estar ali. Ela fez muito, não é? Eu tenho certeza que ela ficou meio irritada quando este negócio aconteceu. ‘Poxa, bicho, ainda tinha mais um tanto pra fazer’”, se emociona.

“Depois de Maria Rita e Elis juntas, agora Maria Rita vai para onde?”, perguntou Zeca Camargo.

210217 802x600 Fantástico: Maria Rita conta sobre a emoção de homenagear a mãe, Elis

“Esse desafio eu cheguei a pensar que poderia ser um ponto final, tinha um pouco de medo, mas a receptividade do público me surpreendeu. Eu trouxe para mim a missão de levar para outras gerações o nome dessa mulher, dessa grande artista, importante, do tamanho que é. E se eu posso fazer isso cantando, vou fazer cantando”, afirma Maria Rita.