Arquivo

Posts Tagged ‘redescobrir elis’

Época: Maria Rita diz estar pronta para subir ao palco por Elis

8 de novembro de 2011 1 comentário

Fonte: Epoca/Por DANILO CASALETTI

A cantora Maria Rita (Foto: Mônica Imbuzeiro / Agência O Globo)A cantora Maria Rita (Foto: Mônica Imbuzeiro / Agência O Globo)

“Se o que eu posso fazer para preservar a memória de Elis é subir ao palco e cantar, é isso que vou fazer”, diz Maria Rita, em entrevista a jornalistas nesta terça-feira (8), em São Paulo, para apresentar o projeto Viva Elis. “Acho que este é o momento certo”, afirma a cantora, que desde que estourou para o sucesso, em 2003, é cobrada para fazer uma homenagem para a mãe. Em 2012, completam-se 30 anos da morte de Elis Regina.

Serão cinco shows em cinco cidades brasileiras (São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife e Porto Alegre), todos de graça. O primeiro deles está marcado para março, em local ainda não divulgado. O projeto Viva Elis também terá uma exposição – que vai acompanhar o roteiro dos shows –, um livro biográfico e um documentário com depoimentos de artistas e amigos que conviveram com Elis, entre eles Nelson Motta, Roberto Menescal, Gal Costa, Gilberto Gil e Fagner. Tudo está sendo encabeçado pelo produtor João Marcello Boscoli, filho mais velho de Elis.

Em declarações recentes, Maria Rita disse que precisava se preparar emocionalmente para participar de um projeto como esse, mas, agora, parece que já está tudo acertado, ou encaminhado. Até dezembro, a cantora continua em turnê com seu álbum Elo, o quarto de seu carreira. Depois, para e começa a pensar no show em homenagem à mãe. Maria Rita, que diz que ainda não escolheu o repertório, deve cantar acompanhada de um trio ou de um quarteto. “A atração principal é a música. Não vai descer um telão com projeções de Elis para todo mundo chorar”, diz o irmão, João Marcello.

“O assunto ‘Elis’ nunca foi tabu em casa, mas acho que a Maria Rita acertou em esperar o momento oportuno para fazer essa homenagem”, diz João. A cantora concorda com o irmão e diz que as comparações ou o aposto ‘filha de Elis Regina’ nunca a incomodaram. “O que me incomodava era o fato das pessoas quererem que eu fosse a continuação dela. Elis só teve uma. Nem eu vou substituí-la”, diz Maria Rita. Sempre contando com o apoio do irmão, Maria Rita vai além em relação às cobranças. “Tenho quase dez anos de carreira. Já fiz muito. Posso dizer que não devo mais satisfações a ninguém”, afirma.

A segurança some apenas quando o assunto é o show propriamente. “Estou morrendo de medo. Elis é de todo mundo, mas a mãe é minha”, brinca a cantora. Maria Rita diz que espera acostumar-se, durante os ensaios, que devem começar em janeiro, com a emoção de cantar o que foi gravado pela mãe.

Os shows, segundo a cantora, não serão lançados em CD ou DVD. “Não é essa minha vontade. Será uma homenagem, não um projeto de carreira”, diz. Mais uma vez, João Marcello apoia a irmã: “Elis iria detestar se a Maria Rita fizesse isso”.

Ao longo da carreira, Maria Rita cantou – em projetos paralelos, nunca em seus shows ou discos – quatro músicas da mãe. Para um especial da TV Globo interpretou “Essa mulher”, canção de Joyce gravada por Elis em 1979. Também de 79, Maria Rita cantou “Basta de clamares inocência”, em um show em homenagem ao compositor Cartola.

O clássico “Carinhoso”, gravado por Elis em 1966, ganhou a voz de Maria Rita em 2010, em dueto com Ney Matogrosso. Com Gilberto Gil, cantou “Amor até o fim”, samba que Elis gravou por duas vezes (1966 e 1974).

O projeto Viva Elis vai ter apoio da Nívea. Os shows e a exposição serão bancados pela verba de marketing da empresa e não receberão o benefício da Lei Rouanet, como foi anunciado anteriormente. A renúncia fiscal abrangerá apenas a confecção do livro e do documentário, que depois serão distribuídos em escolas públicas do país.

SITE

A cantora Elis Regina (Foto: Arquivo / Agência O Globo)
Elis Regina, em foto de 1979. Em janeiro de 2012, completam-se 30 anos da morte da cantora (Foto: Arquivo / Agência O Globo)

Junto com os eventos programados para o projeto Viva Elis, a família da cantora também colocará no ar o site Elis Regina. É nele que fãs de todo o mundo poderão acessar o acervo que vem sendo reunido ao longo desse tempo. “Quem tem a maior parte de fotos e vídeos são as emissoras”, diz João. O produtor conta que depois da morte de Elis, em janeiro de 1982, os fãs invadiram a casa da cantora, que ficava na Serra da Cantareira, zona norte de São Paulo, para pegar lembranças de Elis. “Ficamos com muita pouca coisa”, afirma.

João Marcello conta que, com a divulgação da intenção de fazer uma exposição da Elis, no começo deste ano, algumas pessoas começaram a enviar materiais e lembranças para ele. A mais inacreditável delas é o álbum de casamento de Elis com o compositor Ronaldo Bôscoli, pai de João. A ‘”relíquia” estava com uma ex-empregada de Elis que o recolheu do lixo. A própria Elis descartou o álbum quando se separou do marido. A carteira de trabalho da Elis também estava com a ex- funcionária da cantora.

Os vídeos usados na exposição – entrevistas e trechos de shows – poderão ser lançados, posteriormente, segundo João Marcello, em DVD. Ele também está em contato com a gravadora Universal – pela qual Elis lançou a maioria dos seus discos – para restaurar os áudios de mais dois álbuns, a exemplo do que já foi feito com Elis& Tom, Falso Brilhante e Elis (de 1980).

Anúncios

G1: Maria Rita anuncia turnê com músicas de Elis

8 de novembro de 2011 Deixe um comentário

Fonte: G1

“Eu estou morrendo de medo. Porque a Elis é de todo mundo, mas a mãe é minha.” Assim Maria Rita sintetiza seu atual estado emocional. Ela diz isso porque, em 2012, fará uma série de cinco shows cantando músicas gravadas por sua mãe, Elis Regina. O projeto “Viva Elis” foi anunciado em entrevista coletiva nesta terça-feira (8).

A cantora Maria Rita e o produtor João Marcelo Boscôlli, filhos de Elis Regina, anunciamo o projeto 'Viva Elis', que homenageia a cantora (Foto: G1)A cantora Maria Rita e o produtor João Marcelo Boscôlli, filhos de Elis Regina, anunciam o projeto ‘Viva Elis’, que homenageia a cantora (Foto: G1)

A turnê, que começa em março, marca os 30 anos da morte da cantora, e as apresentações, todas gratuitas, acontecerão em locais públicos de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília e Porto Alegre. Esta será a primeira vez que Maria Rita se dedicará a um repertório composto, exclusivamente, por canções de Elis.

A declaração de Maria Rita, em tom confessional, foi dada em entrevista no Terraço Daslu, em São Paulo, na qual foram anunciados detalhes do projeto “Viva Elis”. Além da turnê, haverá uma exposição itinerante, na qual será exibido um documentário, e será lançado um livro em homenagem a Elis.

De acordo com o músico e produtor João Marcelo Bôscoli, irmão de Maria Rita e responsável direto pela programação de homenagem à mãe, a maior parte as atividades previstas acontecerá sem incentivo fiscal, apenas com o patrocínio de uma marca de cosméticos. Ainda segundo ele, Maria Rita ainda não escolheu quais músicas irá cantar.

MARIA RITA CANTARÁ FAIXAS ETERNIZADAS PELA MÃE, ELIS REGINA

Fonte: Rolling Stones

Atualizada em 8 de novembro, às 15h07

Pela primeira vez em sua carreira Maria Rita cantará músicas de sua mãe, a lendária cantora Elis Regina (foto). As informações foram divulgadas em uma entrevista coletiva de imprensa realizada nesta terça, 8.

O ano de 2012 marca as três décadas da morte de Elis, e Maria Rita realizará uma série de shows – todos gratuitos – cujo repertório, ainda não revelado, contará com clássicas canções interpretadas pela diva da música nacional nos anos 60 e 70. As apresentações passarão por São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife e Porto Alegre, com patrocínio de uma marca de cosméticos – o primeiro show acontecerá em março de 2012, mês do aniversário de Elis (ela nasceu em 17 de março de 1945). Os locais ainda não foram divulgados uma vez que o projeto ainda se encontra em processo de negociação, mas a ideia é que aconteçam em parques ou locais abertos para que mais pessoas possam comparecer.

As homenagens não param por aí. Será lançado um site, o elisregina.com, no qual haverá conteúdos exclusivos, entre eles depoimentos em vídeo de amigos da cantora (como Nelson Motta, Jô Soares, Marília Pêra e Fagner). Um livro sobre a trajetória de Elis está sendo preparado e terá distribuição gratuita e uma exposição itinerante será realizada nas cidades onde acontecerão os shows de Maria Rita. Farão parte da exposição fotos raras, entrevistas de televisão e rádio, figurinos marcantes, imagens de performances a vivo, entre outras coisas.

“Trata-se de uma homenagem, não de um projeto especial”, explicou Maria Rita, que não tem intenção de fazer com que os shows rendam a gravação de um CD ou DVD. “A gente está pensando em fazer algo assim há muito tempo”, contou João Marcello Bôscoli, também filho de Elis. “Maria Rita cantar Elis não é um tabu. Ela preferiu construir a carreira dela independente da mãe, mas nunca descartou fazer algo assim no momento certo”, disse ainda. Maria Rita complementou que “sempre teve essa homenagem dentro de si” e que nunca se incomodou com comparações em relação à mãe, que acha natural. “Apenas rejeitava títulos de quer estaria tentando substituí-la.”

Terra: Maria Rita se apresentou no Sonora Live

29 de outubro de 2011 Deixe um comentário

Maria Rita foi a convidada do Sonora Live desta sexta-feira (28). Ela cantou seus maiores sucessos e bateu um papo descontraído com Lorena Calábria e fãs, que assistiram a sua apresentação no estúdio e internautas que enviaram suas perguntas pelo site ou Twitter.

Assista:

Entrevistas / Pergunta da fã Camila

Tá Perdoado / Maria do Socorro

Cara Valente

Coração a Batucar

Pra Matar Meu Coração

Encontros e Despedidas

Coração em Desalinho

Santana

Foto: Edson Lopes Jr./Terra

Dentre o repertório, Maria Rita apresentou músicas do álbum Samba Meu (2007), algumas mais antigas, como Cara Valente, de Marcelo Camelo e Encontro e Despedidas, de Milton Nascimento e a nova música de trabalho Coração Abatucá, composição de Davi Moraes e Para Matar meu Coração, ambas do novo CD Elo.

A cantora ficou em turnê com Samba Meu por dois anos e meio. Ao sentir que tinha que parar, Maria Rita afirmou que chorou muito. “Senti uma angustia enorme, não queria encerrar, mas teve a necessidade, até por exigência dos contratantes, que estavam em busca de algo novo. Mas foi bem difícil”, diz. “Rodamos o Brasil todo com a turnê, fizemos shows internacionais, inclusive no Japão. E graças ao Samba Meu, acabei indo a lugares que não conhecia”.

Quando aceitou a ideia de encerrar a turnê, Maria Rita decidiu tirar no mínimo seis meses de férias, mas não durou todo esse tempo: “não aguentei e resolvi fazer outros shows, menores, com outros tipos de músicas. Mas não fiquei parada”.

Maria Rita afirmou que foi a primeira intérprete de uma música de Marcelo Camelo. Cara Valente só não entrou no álbum do cantor por que já tinha Cara Estranho. “Então para não ficar repetido ‘o cara’, ganhei a música”, diz, relembrando também, orgulhosa, que foi a escolhida por Milton Nascimento para interpretar a canção Encontros e Despedidas.

Influências e carreira

https://i1.wp.com/p2.trrsf.com.br/image/fget/cf/619/464/img.terra.com.br/i/2011/10/28/2089076-0833-rec.JPG

Fotos: Portal Maria Rita / M Vitória DiBonesso (Ver galeria completa)

A filha de Elis Regina disse que suas influências musicais vêm desde a década de 1970, principalmente da música negra americana. Maria Rita citou Jackson Five, Michael Jackson e Stevie Wonder como três de seus inspiradores.

Lorena Calábria lembrou que durante esses dez anos de carreira da cantora, ela demonstra que perdeu a timidez e mudou o visual: “você abandonou a rasteirinha e agora sobiu no salto”, brincou.

Questionada pela apresentadora se tem vontade de compor, Maria Rita afirmou que não se sente preparada: “ainda não tenho essa vontade. É um desafio. Uma amiga me disse que tinha uma melodia pronta e me ofereceu colocar a letra, falei para ela desistir porque não estou pronta para compor. Mas é uma cobrança muito grande”.

Um internauta perguntou quais mudanças a cantora sentiu interiormente desde o início da carreira até hoje. Maria Rita respondeu que está mais madura: “aprendi a lidar com minha insegurança e me solto mais no palco. Antes só pensava em ter mais responsabilidade, me apresentar corretamente. Mas hoje me solto, me divirto. Passei a ver a emoção das pessoas em relação a minha música”, concluiu.

A cantora se prepara para realizar um show em homenagem a sua mãe, mas que o tributo só deve acontecer em 2013: “tenho que me preparar para isso acontecer, mas não como cantora, e sim como filha. É um assunto que mexe com as minhas emoções”.

Maria Rita encerrou sua participação no Sonora Live com a música Coração em Desalinho, tema da abertura da novela Insensato Coração.

Istoé, Maria Rita: “Samba, suor e lágrimas”

17 de outubro de 2011 1 comentário

Confira abaixo a matéria publicada na Istóe sobre a nossa cantora.

Os créditos são do blog do Edgard Horácio.

BH: Intimismo e explosão nas várias facetas de Maria Rita

(Fonte: Jornal Pampulha / Maio 2011)

Divulgação

Uma Maria Rita “mais explosiva, inquieta, quase raivosa e impaciente” chega a Belo Horizonte, no próximo sábado (4), para um show diferente dos anteriores. Os adjetivos, escolhidos pela própria cantora para definir sua fase atual, representam um momento de liberdade artística.

No palco, além de reunir sucessos dos seus três trabalhos, e não apenas do seu último disco, “Samba Meu”, lançado em 2007, a cantora de 34 anos decidiu apresentar canções que, segundo ela, gosta e lhe emocionam. “Escolhi canções que há muito não cantava, que tinha saudades. Canções que canto pela casa, mas que não cabiam em ‘turnê de disco’. Canções que sei que o público gosta de cantar”, afirma.

Para os menos atentos, o show pode soar como despretensioso. Maria Rita explica que apenas está vivenciando uma fase de desprendimento. “Levo o palco muito a sério. Mas é mais livre, não compromissado com momento nenhum, hit nenhum, sonoridade nenhuma. É, portanto, mais íntimo”, diz.

Questionada sobre a intenção de registrar o show em CD e DVD, ela mantém a objetividade. “Não, eu realmente não tenho”.

Entre algumas das músicas escolhidas para o repertório estão “Coração em Desalinho”, tema de abertura da novela “Insensato Coração”, “Só de Você”, “O que É o Amor”,  “Conceição dos Coqueiros” e “Encontros e Despedidas”. Algumas faixas de “Samba Meu” também estarão no roteiro.

Facetas e Elis
Desde seu primeiro disco, lançado em setembro de 2003, Maria Rita acumulou algumas facetas. Além dos papéis de cantora premiada e mãe de um menino de 5 anos, o título de madrinha de bateria da escola de samba Vai-Vai passou a integrar seu currículo no último mês de março. O lugar de mulher sensual também foi reafirmado em um ensaio para uma revista masculina.
Mas talvez um de seus grandes rótulos seja mesmo o de filha de uma das maiores cantoras do mundo. No entanto, depois de oito anos de comparações com Elis Regina, e muitas delas não tão bem-vindas, a filha agora se rende a um projeto em homenagem à mãe.

Com o nome de “Redescobrir Elis”, cinco shows serão apresentados com um repertório totalmente dedicado a cantora. Os espetáculos, que estão programados para 2012 e serão gratuitos, deverão passar por Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Recife e Porto Alegre.
O projeto ainda vai contar com uma exposição, um site-espelho da obra, um livro e um documentário, a um custo estimado em R$ 5,8 milhões, viabilizados por meio da Lei Rouanet.

Nota do @PortalMR: Vale lembrar que este show não foi confirmado, mas que existe sim o projeto “Redesobrir Elis”

Projetos e novos sons
Em julho, Maria Rita se apresenta no Montreux Jazz Festival, na Suíça, no qual Elis Regina fez uma antológica apresentação em 1979. Mais uma vez fugindo das comparações, ela explica que não cria expectativas. “Já estive lá há alguns anos e foi muito emocionante para mim. Assim como passou Elis, passou também uma quantidade de gente importante. Mas não crio expectativa. Ao fazê-lo, o tombo é garantido”, afirma.

Entre os músicos que lhe chamam atenção no momento, estão Melody Gardot e Adele, duas jovens cantoras que chegam ao sucesso com trabalhos ancorados no jazz e no pop. Maria Rita ainda sinaliza uma possível passagem por outros gêneros. “Sou muito inquieta, ouço de tudo. Tenho projetos paralelos em mente, mas aguardo o momento ideal”, conta.

Maria Rita
Chevrolet Hall (av. Nossa Senhora do Carmo, 230, Savassi, 2191-5700). 4 de junho (sábado), às 21h. R$ 120 (cadeiras numeradas, 1º lote, inteira). R$ 80 (pista, arquibancada, 1º lote, inteira).

Notinha na GQ deste mês!

26 de maio de 2011 1 comentário

https://i1.wp.com/farm6.static.flickr.com/5030/5686908475_9208d78496.jpg

Para quem curte colecionar, assim como eu, notinhas da Maria Rita em revista e afins, a dica desse mês é a Revista GQ, com capa do Tiago Leifert (R$ 15): Na página 50, tem uma notinha sobre o “Redescobrir Elis” – aquele possivel show, que ninguém ainda sabe se irá se realizar em homenagem à Elis no final de 2012. Taí a dica. Fã é fã, né?

Nota do site e foto: Wesley M. Santos

E agora, Maria?

21 de março de 2011 1 comentário

Maria Rita desmente que gravará CD com músicas de sua mãe

(Fonte: O Fuxico)

https://i1.wp.com/ofuxico.terra.com.br/img/upload/noticias/100112_36.jpg

Maria Rita não gostou de ler uma notícia dizendo que iria gravar um CD com o repertório de sua mãe, Elis Regina. A cantora afirmou no Twitter que essa informação é falsa.

“Queria saber quem inventou que vou gravar um disco só com músicas de minha mãe. Esse deve sentar no cantinho pra pensar”, escreveu.

Além do CD, também havia sido divulgado que Maria iria fazer um show em tributo a Elis. “NUNCA dei garantia alguma dos shows”, postou.

Incomodada com a situação, a cantora resolveu publicar a declaração oficial que deu ao jornal O Globo sobre o assunto. “Nunca foi segredo o meu desejo de cantar as canções da minha mãe exclusivamente num momento de homenagem a ela – como fiz ao cantar Essa Mulher pra TV Globo. Tal homenagem se desenharia no final de 2012 – se meu coração aguentar. Meu foco, no momento, ainda é a minha carreira.”, publicou Maria, que logo encerrou o assunto: “Quando coloco SE MEU CORAÇÃO AGUENTAR, não é, de forma alguma, força de expressão. No momento, confesso, já não tenho coração.”